segunda-feira, outubro 01, 2007

Memento
















Na íris do tempo meu corpo é catavento penteado pelo vento

Fecho os olhos
até que brote de minhas pálpebras um provedor de sóis
e o alfabeto ondule na fissura dos lábios
nos beijos escondidos no pescoço dos pássaros
no crispar de dedos ávidos de murmúrios

Ecuto-me num silêncio que me dou
até que minha boca construa a chuva
e a voz percorra o pavio do verso

Deixo que o tacto do sol pinte a pálpebra dos olhos de água
e o corpo seja um estuário de palavras enlaçadas
Palimpsesto onde repousa o mundo



14 Comments:

Blogger Betty Branco Martins said...

Minha querida


Já cá estou de volta:))

Vim só dizer um OLA! e agradecer a visita na minha ausência

Voltarei mais tarde com tempo. Para ler e comentar

Beijos com muito carinho

01 outubro, 2007 13:33  
Anonymous Secreta said...

Tinha saudades de ler-te :)
Beijito.

01 outubro, 2007 14:04  
Blogger Vieira Calado said...

Gostei muito deste e doutros poemas que aqui li.
Um abraço.

01 outubro, 2007 14:05  
Blogger daniel sant'iago said...

"...no crispar de dedos ávidos de murmúrios..."
O teu regresso!

01 outubro, 2007 17:57  
Blogger Mar Arável said...

Na íris - o mar galga

espraia-se

desnuda-se.

GOSTEI

01 outubro, 2007 23:14  
Blogger Morada Terra said...

O voo da alma,
suave.
A inspiração da vida,
calor.
Tão belo.

Bj
Filipe

01 outubro, 2007 23:25  
Blogger Ás de Copas said...

Fecho os olhos e sinto-te, nas pétalas do meu olhar.
Um beijo

02 outubro, 2007 16:33  
Blogger vida de vidro said...

"e o corpo seja um estuário de palavras enlaçadas"...

Como é bom voltar a ler-te! **

04 outubro, 2007 21:46  
Blogger St. J. said...

O tempo faz a iris. Dá-lhe a memória da cor das palavras e reflete-lhe a imagem dos afectos.

;)

05 outubro, 2007 22:43  
Blogger PCF said...

Bastante interessante.

07 outubro, 2007 14:53  
Anonymous Passo said...

é sempre um prazer cruzar-me com .. tao bela profunda e sensivel forma de escrever .. beijo doce

10 outubro, 2007 15:18  
Blogger Vera Carvalho said...

Lindo ver-te através da íris do tempo!
Adorei o poema!
Um abraço.

11 outubro, 2007 19:44  
Blogger ContorNUS said...

delicioso...deixar-me levar no enleio das palavras
;) voltarei

12 outubro, 2007 14:53  
Blogger Light said...

no canto adverso as tuas palavras,enrolo-me e adormeço,como se elas me embalacem!!!

13 outubro, 2007 11:45  

Enviar um comentário

<< Home