sábado, agosto 30, 2008

(...)


















Deixo que as mãos pousem em orvalho
O corpo inteiro decantando o movimento
deixa-se cair sobre uma serafina silenciosa
que com a sua língua escarlate
abrasa as palavras
e as queima antes de serem

Mesmo que a luz se apague
Um dia talvez
O torso lembrando o respirar da vela
inflame as varandas por dentro viradas ao centro
A noite possa ter portas e o silêncio encontre
o seu bronze num poente em brasa
Os dedos teçam a voz que me fecunde o ventre
E o fósforo dos olhos esverdeie
enquanto as pálpebras bebendo de um só trago
me devolvem os sonhos que rebentam como brotos
e serenamente se abrem em floradas

Foto de Luís Mendonça

7 Comments:

Blogger Paradoxos said...

tu me inspiras estimada amiga, sabias?

03 setembro, 2008 11:11  
Blogger Moon_T said...

lindo...



obrigado

03 setembro, 2008 20:46  
Blogger ~pi said...

( caxa-me axa-me flexa-me

asa rasa

ven to

nu a

c a

s a



~

03 setembro, 2008 22:05  
Blogger Mar Arável said...

FLORES DE ESPUMAS

NAS MINHAS MARÉS

BJS

04 setembro, 2008 00:04  
Blogger Baraújo said...

obrigado pela tua visita...

e ainda bem... porque tens aqui um excelente lugar de repouso e estar...

beijo terno

04 setembro, 2008 11:38  
Blogger O Profeta said...

Onde acaba a terra e começa o Mar
Há um lugar onde vive a ilusão
Repousa na madrepérola das conchas
Com a forma de um coração

Onde as giestas se agarram à areia
Onde as pedras têm diadema de algas
Onde o Mar conta histórias longínquas
Onde as vagas soltam distantes mágoas


Bom fim de semana



Mágico beijo

06 setembro, 2008 22:08  
Blogger Dri Viaro said...

oi, passei pra desejar boa semana e conhecer o blog
bjsss

aguardo sua visita :)

14 dezembro, 2009 13:04  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home